Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008

Arte de Lata

Artista de «graffitis», Colman é, aos 22 anos, conhecedor desta arte de rua e da cultura que a rodeia. No Barreiro, vive e respira «hip hop» e divulga o «street wear» na loja B-Tag. Recusa o rótulo de marginalidade e menoridade atribuído às pinturas que salpicam - legal e ilegalmente - muros, paredes, autocarros e comboios. Para ele, o «graffiti» é uma profissão.

A galeria de Colman - baptizado Emitério Guerreiro dos Santos, embora poucos o conheçam por este nome - é a via pública, mas também tem trabalhos, por todo o país, em diversas casas: de bares a discotecas, de infantários a interiores de lojas, fez de tudo na área do «pintar legal» (com autorização).

Para pintar ilegalmente, usa outro «tag» - assinatura de combate pela qual se afirma e dá a conhecer -, um que não o identifique porque «'graffiti' sem pintar à noite, sem aquela adrenalina, não é 'graffiti'.» Tão calmo e pausado a falar, Colman vibra quando fala dos momentos passados com os «sprays» em frente às paredes. Ser um dos vencedores da «Geração Fantástica» foi o reconhecimento da arte, mas continua a revelar-se modesto: «Tive sorte por ser seleccionado, havia muita gente.» Catarina Furtado pensa de outra forma, recorda-se que «ele tinha uma garra! Era um puto informado, que vinha contrariar a ideia do marginal. E sentia uma paixão pelos 'graffitis'...»

Defensor da classe, o jovem explica que a violência e os gangs não têm que se lhe associar. Quando os «writers» - os que fazem os «graffitis» - não se entendem, «crossam» as pinturas uns dos outros, isto é, desenham por cima do trabalho da pessoa com quem mantêm divergências.

O grupo de amigos com quem Colman costuma pintar, a sua «crew», é a RVA (Representa o Vale da Amoreira), formada pelos quatro ou cinco amigos que são «como irmãos». Nos trabalhos que faz fora, costuma chamar um desses amigos.

O interior de uma loja de «street wear», por exemplo, pode demorar cinco dias a pintar, num horário rígido das 9 às 24 horas. E tem regras, inerentes à cultura do «hip hop», que passam ao lado do leigo: sempre representados estão o DJ, com a mesa de mistura; o MC, com o microfone; o «breakdancer» B-Boy; e o próprio «writer», com a lata de «spray». Depois, só é preciso harmonizar cores e, com engenho, fazer nascer a arte. Haja quem lhe dê valor.

 

Rita Silva

 

tags: ,
publicado por TheWriters às 19:25
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




.TheWriters

Quem somos nós?

Joel Varela

Catarina Figueiredo

Rita Silva

Carla Pereira

Carlos Marques

.O Nosso Projecto

Arte nos olhos da rua

Arte Urbana

.Graffiti

.HipHop

.Breakdance

.Participa!

Para participares clica aqui.

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
17
18
19

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Pesquisa no nosso blog

 

.Arquivo

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.Algumas Fotografias

.Últimos Posts

. Vila Madalena

. Black Eyed Peas

. Participa!

. K'Naan - Dreamer

. MC Sagas

. The Notorious B.I.G.

. Tupac

. Breakdance nos Dedos

. Atum & vandRei Electro Da...

. Montana Factory

. Klit

. O Nosso Projecto

. O dia-a-dia de André Garr...

. VSP/LAU - Fotografias do ...

. O que é a Arte?

.A Nossa Escola

.tags

. todas as tags

.Recomendamos...

Os Nossos Colegas e Outros:

Hospital Ideal

JAMB

O Voluntariado

.Quantos já cuscaram?


Contador